História e Património

A Freguesia
A freguesia de Agualva – Cacém criada pelo decreto-lei nº 39210, de 15 de Maio de 1953 tem tido grande desenvolvimento populacional e urbano, que lhe valeu ser elevada à categoria de vila pela Lei nº 66/85.
A vila foi elevada a cidade em 12 de Julho de 2001, tendo a antiga freguesia sido administrativamente dividida em 4 freguesias civis; Agualva, Cacém, Mira-Sintra e São Marcos no dia 3 do mesmo mês.
Após a elevação de Agualva-Cacém a cidade, esta passou por vários projectos de beneficiação por parte da Câmara Municipal de Sintra, mas também por parte do famoso Programa Polis (projecto para a requalificação das cidades europeias).

Símbolos Heráldicos

Anta Arqueológica

Representa a Anta de Agualva, um dos elementos mais significativos do património arqueológico da freguesia.

Ponte e Burelas Ondadas

Representa a Ribeira de Jardas ou Água Alva e sua ponte, assim como o património cultural e edificado da freguesia.

Roda Dentada

Representa a indústria como uma das actividades base da economia local.

Coroa Mariana

Representa o orago da freguesia: Nossa Senhora da Consolação.

Património
No que refere ao património cultural e edificado na freguesia, merecem especial referência a Anta de Agualva e as grutas de Colaride e o Palácio da Quinta da Fidalga.

Anta de Agualva    
Classificada como monumento nacional por decreto de 16 de Junho de 1910, a Anta ou Dólmen de Agualva foi construída há cerca de 5.000 anos pelos habitantes pré-históricos do local que é hoje a nossa freguesia para servir de túmulo colectivo.

 

Gruta de Colaride  
No pequeno Planalto de Colaride, situada á beira de uma estrada de terra batida, existe há milénios uma cavidade natural a que os moradores mais antigos da zona chamam “Fojo do Mouro” e os espeleólogos designam por Gruta de Colaride.
Na espantosa Gruta correm duas ribeiras subterrâneas, existindo ainda uma cascata de 15 metros e um Lago. Pela sua extensão e interesse espeleológico e arqueológico, a Gruta de Colaride é uma das mais importantes do distrito de Lisboa.

Quinta da Fidalga

Nome porque é vulgarmente conhecida a antiga Quinta de Nossa Sra. Do Monte do Carmo, fundada por volta de 1725 por José ramos da Silva, Provedor da Casa da Moeda e pai do escritor Matias Aires, morgado de Agualva